A descoberta

12:10



Se você descobrir, eu te dou um doce. E aí, me diz, quem é você? Essa pergunta parece ridícula, e talvez seja essa a maior de todas as perguntas, que a principio, é uma das poucas nas quais é certo de você me responder sem problemas. Ao ouvir essa pergunta, na sua cabeça vem uma variedade de respostas: seu nome, sua idade, o que você gosta de fazer, seus defeitos, manias, sua opção religiosa, seu ponto de vista e entre outras coisas relacionadas aos seus gostos. É incrível como todos nós nos achamos capazes de responder essa pergunta.  

Não só para nós, para outros também. Qualquer um acharia inacreditável , não sabermos o que responder nesse momento, não é mesmo? Se você mesmo não sabe o que é, quem irá responder então? O mundo nos obriga a isso. Mas a resposta que buscamos para essas perguntas aparentemente ''fáceis'' vão muito mais além de algo comum para nós . 

Somos únicos, e por isso isso, em nossa infinita individualidade de características a pergunta que certamente não cala é essa. Por que cada um é um ser diferente do outro e estamos em intensa busca de saber quem é o outro. Nos esquecendo de nós mesmos. Um fato : O que você é ultrapassa muito além de suas características. O que você realmente é aparece para você de uma forma muito simples, gradativamente e que você pouco percebe. 

Nas redes sociais, um item que deveria ser abolido é o famoso '' Quem sou eu '' . No lugar deste , deveria ser '' Como você me define? '' pois nós somos aquilo que agimos,pensamos,falamos com os outros e só quem nos conhece , poderá nos responder essa pergunta. Não digo que de forma exata, mas vejamos bem, de que adianta você dizer que é humilde, sincero, silencioso, enfim ... uma série de coisas e fatos, se não as pratica com ninguém? É como se fosse uma tese a ser comprovada, como ter uma tese sem argumento? Como dizer que o que sou, sem precisar do outro? Até para nascer nós precisamos de outras pessoas, meus caros.  Nós somos frutos da nossa interação com o mundo. Nós somos o que o outro vê, não o que o outro acha, mas o que o outro sente. 

E essa descoberta ao nosso eu , se estenderá por muito tempo. E a cada pessoa que passa em nossa vida, nessas pessoas é que vamos aos poucos colhendo pequenos fragmentos de nossa essência , existência, um pedaço de nós mesmos. Por que as nossas características podem definir minunciosamente a nossa personalidade, mas jamais poderão definir o que somos de fato. E é aí, nessa interação e troca mútua, que você descobre que não é sempre a mesma pessoa,e sem dúvidas a gente percebe : a descoberta está apenas começando.   


A nossa maior ilusão é acreditar que somos o que pensamos ser

(Henri Amiel)

You Might Also Like

24 Comente!

  1. Que maravilhoso texto Sabrina! É realmente complicado dizer quem somos, nossas características podem nos definir um pouco, mas é só um parte do que realmente somos, mudamos a cada minuto, a cada novo texto lido ou novo filme visto, enfim, estamos sempre em constante mudança e consequentemente nosso 'eu' também.

    Beijos
    Meu outro lado

    ResponderExcluir
  2. Discordo Sabrina, poucas pessoas revelam as outras, mesmo com o convívio mútuo quem realmente são, tanto que por quantas vezes nos deparamos com a frase: "E eu que pensei que conhecia fulano (a), acabei me surpreendendo..."
    Não cabe aos outros definir quem somos nós, até porque pessoas adoram julgar um livro pela capa, julgar pessoas pela aparência e ninguém (ninguém!) tem este direito, porque a essência de alguém está sempre muito bem oculta e é somente da pessoa.
    Eu odeio definições, minha "auto-biografia" em sites de editora e redes sociais não desmentem, mas não porque eu não tenha auto-conhecimento, mas porque certas coisas não interessam a ninguém. :D
    Cadê o meu doce?
    Bom domingo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Ixi! Pelo visto... vou ficar devendo!rs /Então, eu entendo perfeitamente seu ponto de vista e sabia que alguém iria fazer essas observações! É normal :)), porém, para deixar claro o meu ponto de vista eu dou ênfase ao trecho: '' Nós somos frutos da nossa interação com o mundo. Nós somos o que o outro vê, não o que o outro ACHA, mais o que o outro sente. '' Enfim...ao meu ver as pessoas que nos conhecem verdadeiramente são aquelas que melhor saberão quem nós somos. A gente se define do jeito que a gente quer, mais o que a gente realmente é a gente descobre se socializando. Beijão!!!

      Excluir
    3. E eu continuo a discordar, pois nem todos são transparentes nem mesmo com as pessoas que conhecem, auto-conhecimento eu acredito ser o mais importante Sabrina, é não será através do que os outros vêem que vão nos definir, pois cada um vê, em verdade nos outros, características de si mesmo e, por vezes, de modo distorcido. Se uma pessoa me vê com os olhos do preconceito, não significa que eu seja isto mesmo que eu me socialize com ela, não sei se me entendeu... Este assunto é muito vasto para poder se resumir em apenas um comentário.

      Excluir
    4. Enfim, concordo que o assunto seja muito vasto . Eu creio que nenhum ponto de vista esteja errado quando falamos desse assunto. Mas, para não ficar '' em cima do muro'' prefiro defender o que defendi no meu texto, a minha opinião sicera. :D Acho o que conta para a própria pessoa é a experiência de vida de cada um e os seus próprios conhecimentos, questionamentos que irão fazê-la ter uma visão inata sobre essa questão do ''quem sou eu''. Muitos sabem dizer, muitos não. Abraços, sua opinião será sempre bem vinda.

      Excluir
  3. Essa pergunta é duplamente dificil de ser respondida, no meu caso. Não gosto de falar de mim, me definindo com características, qualidades e defeitos.
    Sempre acho que não é suficiente para passar quem sou verdadeiramente, por isso fico indeciso quando preciso me apresentar para alguém.
    Uma coisa bem simples e direta já basta, como fiz no meu blog um dia desses.

    Mas eu mesmo ainda estou no processo de autoconhecimento, quando eu descobrir, conto para as pessoas, hehe.
    Trazendo para o nosso mundo da blogosfera, nós somos o que o outro lê e sente ao fazer isso.

    Bom domingo pra você. Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É exatamente isso '' Trazendo para o nosso mundo da blogosfera, nós somos o que o outro lê e sente ao fazer isso.'' Bom domingo para você também.

      Excluir
  4. A pergunta mais difícil é "quem sou eu?". Na maioria das vezes a gente se complica com a resposta, ou não sabemos responder. Acho que a gente só se descobre realmente através dos outros. Através dos relacionamentos, que é quando nós temos a oportunidade de nos ver diante das situações, das complicações e reconhecer nossas decisões. Não que o outro vá nos dizer quem somos, mas nós mesmos começamos a perceber e aceitar - ou mudar, melhorar, ai depende - com o tempo.
    Bjs! Estava com saudades daqui, peço desculpas pelo tempo que fiquei sem visitar e comentar, estava meio apertado para mim.
    http://www.dinhacavalcante.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que isso, sempre será bem vinda :D Obrigado pela sua opinião.

      Excluir
  5. Nossa, isso tudo me fez refletir! Adorei!
    Beijos
    Diário Ciumento

    ResponderExcluir
  6. Oi Sa,

    Tudo bem? Um texto interessante e com vários olhares. Penso que a definição sempre será necessária, pois é a primeira forma de interação. Todavia, ninguém conhecerá o outro por inteiro, pois o ser humano tem direito e pode mudar a sua personalidade.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  7. Achei seu texto muito interessante e verdadeiro...
    Esta pergunta: "Quem é você?"; é uma pergunta sem resposta, porque todos os dias vamos nos conhecendo melhor...
    Gostei, o texto esta muito bem escrito... \õ/
    Parabéns! :DD

    Jader Monteiro
    http://cinco-datarde.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Concordo no ponto de que nossas atitudes com a sociedade nos definem quem somos muito mais do que achamos ser, mas não necessariamente a opinião dos outors. Achi que esse trecho de teu texto define tudo: "Nós somos frutos da nossa interação com o mundo. Nós somos o que o outro vê, não o que o outro acha, mais o que o outro sente. "

    ResponderExcluir
  9. O pior é que perguntaram isso em uma espécie de entrevista de emprego... Não deviam fazer isso, na boa. No começo eu não tinha nada pra escrever, depois, principalmente por não me importar com onde aquilo iria dá, fiquei sem saber como terminar...
    Acho que não só as pessoas que conhecemos, mas o que fazemos também responde essa pergunta...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  10. Olá, lindona!!
    Vish, já passei maus bocados com esse tipo de pergunta em entrevistas de emprego. Eu sempre me embaralhava toda na hora de responder. Eu conseguia expor algo em redações, porque tinha mais tempo para pensar, sem aquela pressão toda.
    Seu texto foi maravilhoso. Muito rico mesmo. Parabéns!

    Beijos e obrigada pelo carinho. ^^
    Cléo - Acesse o blog Vejo Por Aí... Onde o útil, o fútil e o inútil se encontram.

    ResponderExcluir
  11. Oi Sabrina!
    Eu estava bem sumido esses dias XD
    Mas voltei á ativa, espero que eu continue assim :D

    Sempre me achei difícil me definir... Especialmente em redes sociais... O pessoal que passa pelo o que eu escrevi, acha que eu escrevi aquilo no hora e pronto! Não... Eu leio, releio, re-releio e ainda assim não acho legal =/ Por que eu sempro penso que acabo passando a imagem de metido, ou de vilão da história.
    Prefiro que as pessoas me descrevam, por que mesmo que eu seja de verdade o "vilão da história", isso não saiu da minha opinião e sim de outros...
    Por isso se fizerem essa pergunta em uma entrevista de emprego, talvez eu não consiga a vaga XD

    Mudando - radicalmente - de assunto, por curisosidade eu vi a página 65 em 365, e vi que você comprou o domínio do blog... Perguntinha de gente pobre: Quanto custa? XD... Sério mesmo.
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Máximo ;)
    http://sarinha-132010-vidademulher.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Olá Sabrina!
    Que bela reflexão que você fez, bela e complexa! Eu concordo com a máxima que diz que 'cada um é um universo', sendo assim, penso que não seja tarefa fácil para nós ou para qualquer outros nos definir, ou determinar em poucas palavras que na verdade somos. Acredito que somos mais que o resultado de nossas interações, somos também aquilo que deixamos subliminar aos olhos alheios e ainda aquela parte imensa de nós que sequer conhecemos em sua plenitude...

    Excelente post e excelente tema, gostei muito!

    Beijo grande pra ti Sabrina!!!

    http://sublimeirrealidade.blogspot.com.br/2012/06/pulp-fiction-tempo-de-violencia.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! adorei sua visão sobre o assunto.

      Excluir
  14. Nem me fala, já tive que responder essa pergunta num encontro vocacional, e foi um custo para achar a resposta.
    Mas hoje em dia acho que já sei me definir melhor... hehehe...
    Muito obrigada por passar no DSM, que Deus nos abençoe!!!

    Mil Sweetkisses ♥
    www.docesonhodemenina.com.br

    ResponderExcluir
  15. Adorei o site e as frases: "Nós somos frutos da nossa interação com o mundo."

    A nossa maior ilusão é acreditar que somos o que pensamos ser

    (Henri Amiel)

    Virei seu fã.

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo :) Diga sua opinião e ela será lida e muito bem vinda, ela é essencial para a construção da identidade deste blog!

Sua opinião será respondida aqui mesmo e em seu blog, por isso peço que deixe seu link para que eu possa retribuir a visita.

Temos twitter: @sabrinabyme e @blogspiderwebs; siga para receber todas as atualizações.

Um recado

Estava esperando por você. Antes de continuar, você precisa saber de algumas coisinhas, ó: isso não é um diário, nem um blog de moda. É apenas um blog. E apesar de alguns textos desde site possuírem um caráter bem pessoal [ao enfatizar sentimentos e circunstâncias] e narrativas por inúmeras vezes cortantes e sensíveis em primeira pessoa, nem todos eles possuem caráter auto-biográfico e opiniões da própria autora.

SPIDERTV

PEQUENAS DOSES DE @SABRINABYME

'' Eu quis encontrar um jeito de nunca morrer, e a partir daí, eu comecei a escrever.''

'' Se tem uma coisa que eu aprendi sobre a dor, é que na maioria das vezes, ela também é a cura''

'' Que eu nunca perca essa vontade de escrever. Jamais. O mundo parece uma prisão, às vezes. Escrever é como abrir janelas.''


leia mais em Pensador.info>