Janelas diferentes - fé e religião

07:27


 

Uma vez no ano passado, fui convidada à falar sobre ''espiritualidade'' aqui no blog, à convite de uma blogagem coletiva aleatória de um blog parceiro. Vários blogs participaram, cada um com a sua visão, mas eu não quis. Eu fugi. Meu pensamento naquela época era um pouco menos maduro do que o de agora, e eu não sei porque cargas d'água eu simplesmente achava desnecessário vim aqui no blog falar pra vocês sobre o que eu achava sobre o assunto. Só que eu percebi que isso é uma bobeira. E que nunca é tarde pra se tocar num assunto simples, que faz parte do meu cotidiano. E resolvi fazer isso hoje, eu acho que já estava na hora, ainda mais no momento que estou vivendo.

Eu sou teísta desde que me entendo por gente. Desde pequena, vejo minha avó paterna ir à missa e rezar. Ela vai todos os dias à igreja. Eu não entendi muito bem dessas coisas. Então quando tive idade, minha mãe me colocou no catecismo. E desde ali, eu já era uma criança que queria aquela fé, porque aquilo era bom pra mim. Eu já sentia Deus na minha vida. E acreditava demais no poder dele, desde meus primeiros passos. Quando cresci, vi que existiam outras religiões, outras formas de ter em algo em que acreditar. Eu li, pesquisei, estudei todas e escolhi a que eu achava que era o correto a se seguir pra minha vida.

Hoje ainda sou cristã católica e amo minha fé. Amo porque me sinto bem nela, sinto Deus nela, amo a história, a tradição e a doutrina. É o modo que vejo que consigo chegar perto de Deus. Sei que existem  muitos leitores aqui no blog de diversas religiões, como em qualquer lugar. Respeito todas, igualmente, mas apesar da postagem tratar sobre fé e religião, hoje, o assunto dessa postagem se resumirá em apenas duas vertentes religiosas e visões cristãs das várias que existem no mundo: o catolicismo e o protestantismo.

No mês passado, fui convidada por uma das minhas melhores amigas à ir na igreja dela, pois ela participaria de uma Cantata de Natal do ministério infantil com o tema ''Quem é Jesus''. Ela é cristã, protestante e congrega numa igreja batista em seu bairro. Como eu nunca aceitava os convites dela, só havia ido umas duas ou três vezes na sua igreja e percebi que a minha presença seria importante , resolvi ir. Confesso que nunca me senti à vontade numa igreja evangélica, porque sou católica (daquelas que vai à missa todos os Domingos) e o modo que celebramos a palavra na missa, é um pouco diferente dos cultos evangélicos. E que não esperava muita coisa daquela cantata, e nem imaginava a grandiosidade daquilo. Bem, chegando lá no dia, eu me surpreendi.

Foi algo bonito sabe? Algo simples, singelo. Mesmo não sabendo às vezes como agir num culto, eu tentei participar. Não sabia de todas as músicas, mas eu sabia ''rezar'', ''louvar'' e ''adorar'' - então eu os fiz. As músicas me trouxeram paz, me arrepiaram em vários momentos. Olha, senti Deus bem pertinho de mim. Ouvir aquelas crianças cantando e a minha amiga ali, dano o seu melhor, foi ainda mais gratificante. Foi lindo demais. Eu realmente e verdadeiramente senti Deus naquele lugar. Ouvir o pastor pregando também foi bom. O melhor de tudo isso foi ver o esforço de todas aquelas pessoas dando certo e resultando em algo frutífero.

E sabe o que eu percebi?

Às vezes a gente usa a fé como algo de disputa. Já cansei se discutir várias e várias vezes com amigas protestantes na escola sobre as diferenças das nossas religiões, como se a minha religião fosse melhor que a delas e elas provando ao contrário. Além disso ser chato pra caramba, não adiantava nada porque a gente nunca concordava com as mesmas coisas. Só ficava aquele clima chato entre as amigas.

Então, naquele dia, na igreja da minha amiga, eu pude entender tudo. Tudo. Eu me senti bem lá, como eu me sinto bem na minha igreja durante a missa. Me arrepiei da mesma forma, quando eu senti Deus perto de mim. Aí eu lembrei daquela frase '' Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles. ''  que Jesus disse uma vez. E realmente é isso. Eu aprendi que o respeito é fundamental, e que religião é uma coisa que não se discute. Definitivamente.  Aprendi que no final, não importa muito o modo que você procura a Deus, o que importa é que a aquela paz e aquele lugar ali te faça sentir bem.E só.

Sinto Deus de diversas maneiras no meu dia-dia. No sol da manhã, numa bela paisagem, nos momentos bons que a vida me dá, no meu respirar, no céu azul ou até no meio da tempestade exuberante numa madrugada fria pensando na vida. E percebi que sinto Deus também quando vou a uma igreja protestante, assim como quando vou à missa e isso não é algo errado. Então agora eu sei mais do que nunca, que não há diferença quando estamos proclamando o nome de Cristo. Continuo seguindo meus caminhos, mas sei que toda vez que for visitar a igreja dessa minha amiga, também serei abraçada. Podemos ser de denominações opostas, mas o Deus é o mesmo. Apenas olhamos de janelas diferentes. E reconhecer isso é maravilhoso.

E hoje sou mais feliz, leve. Pois apenas quero um lugar na janela, seja qual ela for, para poder cada vez mais sentir essa paz que sinto quando estou buscando à Deus.

Hoje eu irei para um retiro chamado ''Acampamento Juvenil'' para os jovens do Decanato. Ficarei 5 dias offline - sem internet e meios de comunicação - e espero de coração ouvir tudo que Deus tem à me dizer. O texto de hoje é o resultado de uma reflexão que venho tendo há semanas, sobre a busca da fé, mas sobretudo, sobre buscar a Deus.

You Might Also Like

3 Comente!

  1. Linda e madura sua reflexão, mostra como você tem crescido na fé. Desejo um ótimo e abençoado acampamento!
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. A religião tem perdido cada vez mais o elo com a espiritualidade. Preocupa-se mais com disputas e ganhos do que com a evolução espiritual. Acho que você me entende. Do que adianta ser "fervoroso" na igreja e intolerante com outras doutrinas? Gosto bastante de conversar sobre espiritualidade.

    ResponderExcluir
  3. Você pensa como eu *-* Achei que eu era a única, sempre fui criada em igreja evangélica mas quando fui batizar minha afilhada participei da missa e me senti tão perto de Deus *-* eu amei! bjs http://atravesdosespelhos.wordpress.com/

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo :) Diga sua opinião e ela será lida e muito bem vinda, ela é essencial para a construção da identidade deste blog!

Sua opinião será respondida aqui mesmo e em seu blog, por isso peço que deixe seu link para que eu possa retribuir a visita.

Temos twitter: @sabrinabyme e @blogspiderwebs; siga para receber todas as atualizações.

Um recado

Estava esperando por você. Antes de continuar, você precisa saber de algumas coisinhas, ó: isso não é um diário, nem um blog de moda. É apenas um blog. E apesar de alguns textos desde site possuírem um caráter bem pessoal [ao enfatizar sentimentos e circunstâncias] e narrativas por inúmeras vezes cortantes e sensíveis em primeira pessoa, nem todos eles possuem caráter auto-biográfico e opiniões da própria autora.

SPIDERTV

PEQUENAS DOSES DE @SABRINABYME

'' Eu quis encontrar um jeito de nunca morrer, e a partir daí, eu comecei a escrever.''

'' Se tem uma coisa que eu aprendi sobre a dor, é que na maioria das vezes, ela também é a cura''

'' Que eu nunca perca essa vontade de escrever. Jamais. O mundo parece uma prisão, às vezes. Escrever é como abrir janelas.''


leia mais em Pensador.info>