O que você nunca irá entender

00:11
























Dia desses andando pelas ruas da cidade, notei que a tarde já se despedia e o dia se convertia em noite. O ambiente estava calmo e o clima, fresco e abafado. Verão. Era a noite do último dia da semana. O típico sábado a noite: casais saindo para tomar um sorvete, grupos de amigos no parque e pessoas saindo pra se distrair como já disse Lulu uma vez naquela canção. Passando pelo caminho de sempre, olhei o lugar onde nos encontramos pela primeira vez. Naquela rua, ali mesmo. Onde eu me apaixonei por você no instante que te vi, sem saber do futuro e das grandes coisas que sentiríamos um pelo outro depois daquele dia meio louco. Eu lembrei do seu olhar vago com medo de me encarar, do seu sorriso tímido e das minhas palavras um pouco abafadas, pois o meu coração batia forte - eu havia encontrado você. Lembrei dos milhares de sábados a noite que nós desfrutamos juntos e na mesma hora, baixei o arquivo inteiro com lembranças de nós dois. Então, ainda caminhando sozinha, eu sorri. 

Sorrindo, imaginei onde você devia estar por aquelas horas. O que estava fazendo, no que estava pensando. Se estava sozinho ou acompanhado. Me perguntei inúmeras vezes como eu entrei nessa situação e de como nós, que apesar de opostos nos encaixávamos perfeitamente, hoje, estamos tão distantes. Eu quis saber como você estava. Quis saber se ainda pensava em mim. Senti saudade, mas não uma saudade dolorosa, mas aquela saudade um pouco infantil de querer que as coisas voltassem a ser como antes, só por um momento e pronto. Mas como Lulu mesmo disse uma vez, ''nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia''. E sabe, eu desejei ali timidamente apenas te ver, nem que seja de longe, naquela rua na qual eu iria atravessar.Atravessei. Não te vi.

Não senti mais vontade de tomar aquele picolé de graviola, o meu favorito na época. Era lembrança demais pra pouca trégua. Silenciosa, caminhando sorrindo entre carros, pessoas e vielas, eu era só mais um alguém cheio de lembranças. Tantos olhares passando em volta e eu só gostaria de ver o seu, brilhando e aflito, a procura de algo que nem mesmo sabe o que é. Era eu. Era só mais uma menina caminhando pela rua. E mesmo depois de ter perdido inúmeras madrugadas tentando entender o que nós fomos, eu percebi que no final, foi você mesmo que não entendeu. Aliás, você nunca irá entender.

[ Mas eu gostaria que soubesse que tudo nessa cidade lembra você. Todos os caminhos lembram nós dois. Todos os casais, felizes lembram os momentos que passamos juntos. Eu gostaria que soubesse que eu ainda lembro, todo dia, do meu acordar ao meu do meu deitar, do seu olhar...perfeitamente, como naqueles belos dias de novembro daquele tempo onde as coisas ainda eram fáceis. ]

Você nunca irá entender o meu jeitinho lento de fazer as coisas andarem rápido. Essa minha mania de querer ficar, de ser forte, de sorrir e de ser sempre compreensiva com você. De ter um pé na cozinha e o outro na praia; e de não ligar pra nada, de dizer ''não'' pouquíssimas vezes e de embarcar um pouco nas suas aventuras e que apesar de certinha, aceitar às vezes ''ser um pouco errada''. De ser louca e ao mesmo tempo tradicional. Dessa minha mania de parecer a pessoa que qualquer um gostaria de ter por perto. Você nunca irá entender meu jeito de querer ser diferente dos outros de alguma forma, de fazer a diferença na vida das pessoas e de respeitar meus preceitos em primeiro lugar. De querer te salvar, restaurar, reanimar e de pegar na tua mão quando tudo parecer ter fim, de te colocar num pedestal que nunca ninguém colocou. Te dar valor, amor. De cuidar de você. Você nunca irá entender meus motivos de ter me apaixonado tão rápido e de querer você pra mim, aliás, quer saber? Nem eu mesma entendi. 

Mas eu senti. Ah como eu senti. E ainda sinto. Sinto muito.

Eu quis permanecer, mas sabia que você ainda não entendia os meus motivos de ficar. Precisei me levantar, agradecer e me retirar. Você nunca irá entender porque eu te disse adeus naquele dia, mesmo querendo ficar. Parece contraditório partir quando a coisa que eu mais queria no mundo era estar ao seu lado pra sempre. Você nunca irá entender, mas a vida me ensinou que às vezes precisamos abrir mão de certas coisas mesmo que isso nos cause uma dor imensa. E eu abri mão de você.

Você nem percebeu que aos pouquinhos vinha me mostrando que não era eu. E que não valia a pena lutar - não por mim. E eu sempre soube que ali não era o meu lugar. Nunca foi. Aquele tipo de felicidade não era pra mim, e aquele tipo de entrega era algo maior do que eu mesma acreditava. Infelizmente foi momento, o que eu pensei que fosse sentimento, o que eu pensei que fosse algo e hoje não sei mais o que foi. Eu me perdi, mas uma coisa percebi: o mundo gira e tudo volta como sempre foi destinado a ser. Já era hora, então parti. Eu entendi. Eu entendi. E você, será que nunca vai entender? Vai saber.

You Might Also Like

2 Comente!

  1. Parece que você descreveu tudo o que ando sentindo. É difícil demais ter que lutar entre razão emoção, é difícil demais, como vc disse, ter que partir, quando seu coração pede pra ficar. Mas as vezes é necessário, mesmo que doa agora. É necessário ir e quiçá o destino te traz de volta.
    Bom texto!

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo :) Diga sua opinião e ela será lida e muito bem vinda, ela é essencial para a construção da identidade deste blog!

Sua opinião será respondida aqui mesmo e em seu blog, por isso peço que deixe seu link para que eu possa retribuir a visita.

Temos twitter: @sabrinabyme e @blogspiderwebs; siga para receber todas as atualizações.

Um recado

Estava esperando por você. Antes de continuar, você precisa saber de algumas coisinhas, ó: isso não é um diário, nem um blog de moda. É apenas um blog. E apesar de alguns textos desde site possuírem um caráter bem pessoal [ao enfatizar sentimentos e circunstâncias] e narrativas por inúmeras vezes cortantes e sensíveis em primeira pessoa, nem todos eles possuem caráter auto-biográfico e opiniões da própria autora.

SPIDERTV

PEQUENAS DOSES DE @SABRINABYME

'' Eu quis encontrar um jeito de nunca morrer, e a partir daí, eu comecei a escrever.''

'' Se tem uma coisa que eu aprendi sobre a dor, é que na maioria das vezes, ela também é a cura''

'' Que eu nunca perca essa vontade de escrever. Jamais. O mundo parece uma prisão, às vezes. Escrever é como abrir janelas.''


leia mais em Pensador.info>