O silêncio de uma lágrima

01:59

150641_515326548488823_1333043159_n_large

Trancou as portas e fechou as janelas do quarto a fim de se proteger do mundo lá fora [mais uma vez]. Deitou em seu leito, se aconchegou no travesseiro de linho e algodão, o qual fora o templo dos seus maiores sonhos e pesadelos durante anos a fio. Quis ouvir uma canção, mas não estava com ânimo pra isso  - desligou o rádio, não apertou o play. Na medida que o  tempo passava ela só queria ficar ali, sozinha na companhia de si mesma. Os segundos martelavam nas horas que eram quase eternas. Os ponteiros do relógio paralisaram. E os olhos, que antes eram vagos, se umedeceram em questão de minutos.

O quarto parecia mais aconchegante do que nos outros dias. A tristeza era a mesma, mas no coração tinha alegria, só que esta, estava escondida. A dor transpassava seu peito e a solidão afagava seus dias. Solidão esta em meio termo, uma solidão passageira. Já estava acostumada a ter apenas a si mesma. E o seu quarto ,  é claro – sua eterna companhia.

O coração era a prisão perfeita. Dos sentimentos e da sua razão. Ela trancafiou lá e nem os deu direito de pagar a fiança, deixou-lhes sem nenhuma defesa. Dias de passavam e eles lá,  encarcerados pela boa aparência de seu rosto mudo. Os dias passavam como páginas lidas de um livro, eternizados. Enigmáticos e misteriosos - até que um dia , o coração decidiu liderar a maior das rebeliões, a qual corrompia o que ela menos queria fazer.

No silêncio da primeira lagrima que deslizava em seu rosto ela libertou o sentimento no qual ela prendera. Ela descobriu que na verdade, era ela que estava presa. E se deixou sair, mesmo que contra a sua vontade, em uma pequena gotícula de água, carregada de mil e um sentimentos que estavam na condicional proposta por ela mesma. Seu coração realmente estava em rebelião, sem saída, sem solução. Uma pequena gotícula livre que era como uma enxurrada, avalanche e tempestade de sentimentos se revoltou e fugiu - não quis mas ser a unica detida daquela prisão. Para ela, certamente, foi um acontecimento pior do que a queda da Bastilha*. Queria ignorar, esquecer, se abandonar. Repousou a fim de aceitar.

Mas o que ela jamais esquecera é de um só fato mesmo que este ainda esteja em seu subconsciente na maioria do tempo: a verdade é que as nossas lágrimas podem falar muito sobre o que nós estamos sentindo. Geralmente, os nossos olhos nos mostram ser o espelho da nossa alma, entorpecendo-a e submetendo-a ao público, à liberdade. A lágrima se camufla como tal, porém, ainda não é a linguagem dos olhos. A lágrima traduz o que o seu coração diz, e expõem para fora na forma concreta e perceptiva, tristeza ou alegria. Silenciosamente. Dolorosamente. Delicadamente. Os fatos, momentos e sentimentos. O silêncio de uma lágrima faz mais barulhos do que as ondas do mar, porque nelas são escondidas as palavras ocultas de um coração que se deixou trasbordar. 


------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
*queda da BastilhaQueda da Bastilha, foi um evento central da Revolução Francesa, ocorrido em 14 de julho de 1789. Embora a Bastilha, fortaleza medieval utilizada como prisão contivesse, à época, apenas sete prisioneiros, sua queda é tida como um dos símbolos daquela revolução, e tornou-se um ícone da República Francesa.

You Might Also Like

8 Comente!

  1. PS: A citação histórica abaixo do texto explica um termo citado ao longo do texto que muitos podem não recordar ou saber ao certo do que se trata . Foi explicado para que você , leitor , possa ter uma total compreensão do que foi escrito. Beijos e voltem sempre :)

    ResponderExcluir
  2. "O silêncio de uma lágrima faz mais barulhos do que as ondas do mar, porque nelas são escondidas as palavras ocultas de um coração que se deixou trasbordar".

    Você poetizou aqui, Sabrina. Eu penso que pessoas que reprimem o que sentem por muito tempo, uma hora explodem. Em fúria ou em lágrimas.

    => CLIQUE => ESCRITOS LISÉRGICOS...

    ResponderExcluir
  3. Nossa que lindo, quase chorei, pois to numa tristeza hj.
    Bjos.
    http://cantinhodavanderleia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Gente, que belo! ><
    Fiquei emocionada... Que singelo! E contém até mesmo uma citação histórica... Lindo!
    Adoro seus textos lindona, adoro seu blog! Parabéns!
    Beijos


    http://oiflordeliz.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá, Sabrina!

    Eu me libertei desta prisão há pouco tempo, mesmo assim, por vezes. sinto-me em regime semi-aberto...

    Bjoks

    ResponderExcluir
  6. Nada melhor do que libertar os sentimentos presos. Isso alivia a alma e renova o coração. Lágrimas? São um bom caminho para tal atitude!
    Gostei de seu texto, Sa! Abraços e bom FDS.

    ResponderExcluir
  7. Eu comentei aqui 'nestante', mas não sei se o comentário foi... :s me avisa, se ele não chegou, ta?

    ResponderExcluir
  8. XII, ele não chegou Dinha querida! :/

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo :) Diga sua opinião e ela será lida e muito bem vinda, ela é essencial para a construção da identidade deste blog!

Sua opinião será respondida aqui mesmo e em seu blog, por isso peço que deixe seu link para que eu possa retribuir a visita.

Temos twitter: @sabrinabyme e @blogspiderwebs; siga para receber todas as atualizações.

Um recado

Estava esperando por você. Antes de continuar, você precisa saber de algumas coisinhas, ó: isso não é um diário, nem um blog de moda. É apenas um blog. E apesar de alguns textos desde site possuírem um caráter bem pessoal [ao enfatizar sentimentos e circunstâncias] e narrativas por inúmeras vezes cortantes e sensíveis em primeira pessoa, nem todos eles possuem caráter auto-biográfico e opiniões da própria autora.

SPIDERTV

PEQUENAS DOSES DE @SABRINABYME

'' Eu quis encontrar um jeito de nunca morrer, e a partir daí, eu comecei a escrever.''

'' Se tem uma coisa que eu aprendi sobre a dor, é que na maioria das vezes, ela também é a cura''

'' Que eu nunca perca essa vontade de escrever. Jamais. O mundo parece uma prisão, às vezes. Escrever é como abrir janelas.''


leia mais em Pensador.info>