Vida universitária: Segundo semestre da depressão

03:21


Eu estava adiando este post há meses. A verdade é que eu só falo desse assunto nas minhas redes sociais. Assim que eu divulguei meus resultados aos meus contatos, muita gente pediu pra eu fazer postagens contando tu-do, coisa que eu já fazia antes no ensino médio com a tag Vida de Normalista. Hoje, eu deixei toda minha preguiça de lado e aqui começo minha primeira postagem da série de postagens que farei durante os anos que estarei na faculdade que será chamada de Vida universitária – meio obvio, mas, vai ser bem legal, espero.

Vou começar do começo. Ano passado eu estudava tanto naquela dura rotina diária de horário integral que não tinha quase tempo nenhum de me dedicar aos estudos para o vestibular. Mesmo assim, eu me esforçava, fazia pré-vestibular aos sábados e me dedicava  mais na parte de redação, que é o que eu mais gostava de estudar. Fiz as provas , ou seja, vestibulares e ENEM. Depois só me restava aguardar resultados. 

Quando o ano virou e tudo mais, começaram a chegar os resultados.  Primeiro eu passei para Turismo na UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) pelo CEDERJ que é a modalidade de ensino á distância. Fiquei muito animada, pois não contava que ia passar em outros vestibulares e eu gosto muito do curso. Fui me inscrever lá, e nesse mesmo dia, quando cheguei em casa , descobri por uma mensagem da minha professora de redação que eu passei para a UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) no curso que eu mais queria : Letras – Português/ Inglês – segundo semestre. Eu surtei, né. Eu nem contava com a UERJ, pois eu estava disputando as vagas em ampla concorrência, e como sempre fui aluna de escola pública, estava em desvantagem (lembrando que a UERJ tem vestibular próprio, não é pelo ENEM) e é um dos vestibulares mais difíceis.  Larguei Turismo pra lá com muita dor no coração e no outro mês, me inscrevi na UERJ . Ah, amei o campus, me senti super a vontade lá.

Já no ENEM, especificamente no SISU, não foi muito bom pra mim. Eu estava super nervosa com a prova, não consegui me sair bem e a nota foi bem baixa. Mas eu continuei lutando, pois sonhava em passar para UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) uma das mais bem conceituadas, respeitadas e amadas no Brasil. Eu queria ela por ter mais recursos e possibilidades, que me facilitariam na realização dos meus sonhos, creio eu. Esperei. Esperei. Esperei e esperei.  E quando eu descansei, consegui passar para ela mesma, a UFRJ – e no mesmo curso – Português/Inglês - primeiro semestre. Conquistei o que eu tanto sonhava.

Mas foi aí aconteceu uma coisa muito grave. Eu não sabia que tinha passado, pois as chamadas que são feitas no site não são muito divulgadas, e na semana que eles divulgaram o resultado que era decisivo pra mim, eu estava mega depressiva e nem notei. Na semana seguinte, fui lá conferir e soube que tinha passado. A inscrição já tinha acabado. Perdi a vaga.  Pois é. Chorei litros, fiquei super mal durante dias, mas depois eu superei. Não era pra ser né? Isso ficou de lição de vida pra todos os momentos difíceis que ainda virão, ou seja, por mais que seja impossível realizar um sonho, persevere nele, se não, você perde. Aprendi isso na pele, duramente. Aprenda você também pra não passar o mesmo que eu.


Agora o que mais dói nisso tudo é que o segundo semestre lá na UERJ começa só em Setembro. Todos choram. Enquanto isso fico aqui no blog e escrevendo meus textos pelas madrugadas. Arrumo a casa, faço comida e vejo TV. Leio livros. Um paraíso, sem estresses e preocupações. Perfeição? A resposta é NÂO.  Isso enjoa uma hora. Tenho saudades das minhas amigas, que agora, seguem rumos diferentes. Eu gosto de me sentir ativa e útil, sabe? E de estar sempre num ambiente de ensino, seja em uma escola, curso ou preparatórios. Pena que eu só descobri isso agora.

Apesar dos meus problemas com as instituições, nada mais importa agora: afinal, estou no curso que eu quis: o curso de Letras – português/inglês. Mas nem sempre foi assim. Inicialmente eu queria Direito. Li sobre o curso, vi as vantagens financeiras mas descobri que não tinha NADA a ver comigo. Depois, eu estava super indecisa entre Publicidade, Jornalismo e Letras – mas tinha a certeza que queria um curso na área de humanas, odeio exatas e biológicas (desculpem-me pessoas que curtem essas áreas, não entendo vocês!). Sério. Eu queria Letras, mas não admitia. Afinal, não é um curso com muito prestígio e boas remunerações , então eu queria fugir disso. Porém, é um curso com muitas possibilidades e muitas pessoas me encorajaram a fazer pois viram o meu talento para essa área, principalmente aqui no blog, através dos meus textos e matérias. Lembro que até minha professora de Redação do pré-vestibular mandou um e-mail enorme pra mim me convencendo a fazer o curso. Pensei melhor em tudo o que estavam me dizendo e tomei coragem . Resolvi assumir que era disso que eu gostava. Entre amigos, leitores e professores, foi uma festa. Todo mundo adorou.

E agora tô aqui, esperando outra vez. Eu acho que essas são as férias mais longas da minha vida, e mesmo tendo vivido 3 anos me matando de estudar, eu preferia aquela época do que agora, tendo que esperar 6 meses pela tão sonhada faculdade. Isso é quase uma gestação! (mãe, agora eu te entendo).  O que me resta agora é arrumar, nos próximos meses, um trabalho ou ocupação , já que mês que vem já serei +18 (num bom sentido, é claro).  Ah, e conversar com os futuros colegas de faculdade pela internet até lá, que estão no mesmo barco que eu: no bonde dos ansiosos. Não sei se os caminhos irão continuar os mesmos, mas isso vocês vão saber nas próximas postagens da tag em série. Por agora, fico no mesmo status chato e massacrante que me consome desde o começo do ano: aguardando-o-segundo-semestre,  FUEM.

Alguém aí está ou já viveu na mesma situação? O que acharam da minha saga pré-universitária?  Opinem e contem coisas novas. Vamos interagir!



You Might Also Like

5 Comente!

  1. Parabéns por ter passado!
    Também fiquei 8 meses de férias esperando o segundo semestre. Dá pra viajar e estudar japonês. kkkk
    Esse ano tudo o que eu mas queria era que as aulas do segundo semestre começassem em setembro! Mas na UPE começam em agosto e talvez eu perca o semestre D:
    Deve ser muito legal o curso de letras com inglês! Relaxa e curte as férias, porque quando começar as aulas ~lascou~, não tem mais sossego - a triste verdade. =D

    ResponderExcluir
  2. Adorei o diploma de paciência. - rsss;
    Muito bom.

    ResponderExcluir
  3. Ish, aconteceu isso com uma menina que fazia pré-vest comigo. É muito chato. Tem que ficar ligada agora.
    Bjs, Lavi.
    acidia28.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Que tudo! Parabéns pela conquista, Sa!
    Quando eu era pré-universitária, pensei estudar veterinária, psicologia infantil, direito e jornalismo tudo totalmente parecido, só que não... (risos) Antes de virar universitária, fiz um pós-médio em Processamento de Dados e quando eu me tornei universitária passou pela minha mente fazer letras, mas só depois de finalizar Administração de Empresas, sendo que meu desejo era o de letras com Francês, eu era, aliás, ainda sou apaixonada pela França... mas enfim, me formei e não levei esse pensamento a frente e se, de repente, eu fosse levar, hoje, escolheria letras com inglês, também. ^^ beijos, sucesso e lindo final de semana.

    ResponderExcluir
  5. Se quiser, enquanto espera, pode frequentar a biblioteca da escola. Tem livros novos lá!

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo :) Diga sua opinião e ela será lida e muito bem vinda, ela é essencial para a construção da identidade deste blog!

Sua opinião será respondida aqui mesmo e em seu blog, por isso peço que deixe seu link para que eu possa retribuir a visita.

Temos twitter: @sabrinabyme e @blogspiderwebs; siga para receber todas as atualizações.

Um recado

Estava esperando por você. Antes de continuar, você precisa saber de algumas coisinhas, ó: isso não é um diário, nem um blog de moda. É apenas um blog. E apesar de alguns textos desde site possuírem um caráter bem pessoal [ao enfatizar sentimentos e circunstâncias] e narrativas por inúmeras vezes cortantes e sensíveis em primeira pessoa, nem todos eles possuem caráter auto-biográfico e opiniões da própria autora.

SPIDERTV

PEQUENAS DOSES DE @SABRINABYME

'' Eu quis encontrar um jeito de nunca morrer, e a partir daí, eu comecei a escrever.''

'' Se tem uma coisa que eu aprendi sobre a dor, é que na maioria das vezes, ela também é a cura''

'' Que eu nunca perca essa vontade de escrever. Jamais. O mundo parece uma prisão, às vezes. Escrever é como abrir janelas.''


leia mais em Pensador.info>