O brinquedo favorito dele

01:26



Ele era um menino muito querido pela família desde o nascimento. Sua mãe era dócil, nobre e gentil. Seu pai, super atencioso. Nunca lhe faltou nada:amor, carinho e inclusive, brinquedos. Os meninos por si só, adoram brinquedos.  Mas ele tinha uma fixação maior por todos eles.  Rafael via a vida como uma brincadeira e esse pensamento perdurou em várias fases de sua vida.

Na infância Rafael cismou com carrinhos de controle remoto e vídeo-games. O seu primeiro exemplar foi dado pelo vovô James.  Ele só queria saber de ‘’vrumm vruumm’’ e ‘’bibibibibi’’.  Formava pistas na sala de estar que chegavam até a cozinha. Vira e mexe a sua mãe pisava em alguns deles pelo caminho.  Em relação ao vídeo-game, ele tinha a coleção de vários jogos de Nintendo. Era sua paixão de todas as tardes depois da escola.

Rafa, já são dez horas. Vai dormir que amanhã você tem aula cedo, menino! – dizia a mãe todas as noites.
Tá bom mãe ... – respondia o menino, que só desligava os jogos depois de 30 minutos, que era a hora que a mãe estaria prestes a tomar uma atitude mais rígida.

Na adolescência sua paixão era motos. Ganhou uma coleção inteira de seu pai, que até hoje fica no quarto guardada como uma velha lembrança. E depois dali não quis saber mais de nada. Era isso que ele passou amar. Motos.

Ele cresceu. Mudou. Ele quis brinquedos maiores. Não quis saber mais de joguinhos e nem de brincar de carro. Seus novos brinquedos eram o celular e a internet. Aos dezoitos anos, recebeu um dos melhores brinquedos de sua vida.

Use isso com responsabilidade. Nem tudo na vida deve ser levado como uma brincadeira.  – disse o pai, entregando as chaves da moto que Rafael estava acabando de ganhar.

Depois disso, ele só queria farrear. Com a sua moto, ele ia para as baladas, fazia novos amigos e se sentia realmente livre, jovem, feliz. Depois de cinco meses sofreu um acidente.  Quebrou apenas o braço direito. Ser responsável nunca foi o seu forte. Como ainda morava na casa dos pais, ficou sem a moto durante um mês como um ‘’castigo’’. Resolveu caminhar no parque na semana seguinte. E foi ali que nos conhecemos.

Ele tinha um sorriso alegre. Dizia sobre os novos modelos de motos que saiam. Eu fingia entender tudo, mas na verdade, eu estava prestando atenção no seu incrível semblante. Era tão lindo, moreno, jovem, divertido e engraçado. Trocamos o número. Eu estava me sentindo uma idiota por passar meu número de celular a um desconhecido. No outro dia ele me adicionou no facebook. Minha amigas chamavam ele de ''mauricinho'' mas eu não ligava. Foi esse jeito dele que me atraiu.  Depois de um mês, já estávamos namorando.

Minha família não aprovou muito no começo. Meu pai, que é separado da minha mãe e mora com a minha avó materna nem quis conhecê-lo. Mas eu estava incrivelmente apaixonada por ele. Ele era tão diferente de todos os outros caras. Quando ele enfim pegou a sua moto de volta, passeávamos por vários lugares lindos do estado. Ano novo, feriados prolongados, Natal, Carnaval...tudo era lindo ao lado dele. Em cima daquela moto, com o capacete rosa que ele comprou especialmente pra mim e abraçada na cintura dele, eu tinha a sensação de poder ir pra qualquer lugar do mundo, porque ao lado dele, a felicidade já era garantida. 

Depois de um ano, já estávamos noivos.Tudo estava perfeito.

Então Rafael mudou seu brinquedo favorito. Arrumou um emprego. Conseguiu comprar o seu primeiro carro. Tínhamos nossas crises de vez em quando.  Três meses depois de estarmos noivos, brigamos mais uma vez por um motivo idiota. Não dei tanta importância assim. Rafael saiu da minha casa decidido a não voltar mais. Eu pensei que fosse apenas mais uma vírgula de tantas que ocorreram em nosso relacionamento. Mas para ele era o ponto final. E um pouco mais que isso.

Deixei recados no facebook. Mandei mensagens no celular, whatsapp e DM’s no twitter. Depois de uma semana ele me excluiu de todas as redes sociais. Ele não queria nenhum tipo de contato. Disse que ‘’queria viver a vida dele’’ e isso já não me incluía.

Já se passou duas semanas desde a última vez que nos falamos. Falando nisso, ontem recebi uma ligação da nova namorada dele, pedindo para que eu parasse de tentar alguma coisa, pois ele estava feliz com ela. Fiquei péssima. Chorei a noite toda. Não consigo comer e nem sair de casa. Pra quê tanta humilhação?

Acordei hoje de manhã de mal jeito no sofá da sala. Depois de uma ducha, joguei nossas fotos fora.  Sabe, eu percebi que ele tinha acabado de mudar de brinquedo favorito. Foi assim antes e provavelmente não seria diferente agora. Ele descartou o meu coração apaixonado, antes seu brinquedo favorito e agora, uma coisa qualquer, que não tem mais nenhuma serventia. ‘’ Nem tudo na nossa vida deve ser levado na brincadeira’’. Ele nunca conheceu limites. Sempre foi assim durante toda a vida dele. Não doía em ninguém. Mas dessa vez, doeu. E ainda dói. Aqui e agora...em mim. 

Eu queria escrever um texto com esse título faz tempo. Ás vezes crio os títulos antes mesmo de escrever meus textos. Odeio falar sobre decepções amorosas...mas tenho escutado tanta coisa por aí que tenho que transformar em material literário (como meus amigos costumam dizer) para aliviar um pouco o coração. Coloquei a foto do Andy de Toy Story, pois a além do filme falar sobre brinquedos, mostrar o terror de alguns deles por não suportarem ser um brinquedo descartado. Achei que combinava com a história. Um beijo pra você que anda lendo o blog essa semana sem reclamar dos textos , é que eu tô inspirada na escrita. Comenta se quiser, vai ser bom eu saber o que você achou! :*

You Might Also Like

4 Comente!

  1. Selinhos para você flor ^^
    http://amadurecendonavida.blogspot.com.br/2013/05/voltando-de-viagem-selinho-best-blog.html

    Beijão!

    ResponderExcluir
  2. Gostei dessa crônica, Sá! É muito bom começar um relacionamento, ruim é terminar... a história descrita por ti é interessante e embora tenha um final triste é o que acontece na realidade. beijins

    ResponderExcluir
  3. Oi Sabrina!
    Seu post me fez lembrar de uma frase que eu ouvi há um tempo:
    Brinque com brinquedos e não com o coração das pessoas, ou algo do tipo.
    Infelizmente é o que mais vemos por aí, pessoas que acham que corações alheios são brinquedos que podem ser trocados a qualquer instante u.u
    Belo texto!
    bjs

    Eduardo, Platina JP

    ResponderExcluir
  4. Acho incrível a forma como você abrange a transformação que ocorre ao longo de nossa jornada. Nos seus textos, nada é estático, o que evidencia a mutabilidade presente a cada segundo. Isso me encanta!

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo :) Diga sua opinião e ela será lida e muito bem vinda, ela é essencial para a construção da identidade deste blog!

Sua opinião será respondida aqui mesmo e em seu blog, por isso peço que deixe seu link para que eu possa retribuir a visita.

Temos twitter: @sabrinabyme e @blogspiderwebs; siga para receber todas as atualizações.

Um recado

Estava esperando por você. Antes de continuar, você precisa saber de algumas coisinhas, ó: isso não é um diário, nem um blog de moda. É apenas um blog. E apesar de alguns textos desde site possuírem um caráter bem pessoal [ao enfatizar sentimentos e circunstâncias] e narrativas por inúmeras vezes cortantes e sensíveis em primeira pessoa, nem todos eles possuem caráter auto-biográfico e opiniões da própria autora.

SPIDERTV

PEQUENAS DOSES DE @SABRINABYME

'' Eu quis encontrar um jeito de nunca morrer, e a partir daí, eu comecei a escrever.''

'' Se tem uma coisa que eu aprendi sobre a dor, é que na maioria das vezes, ela também é a cura''

'' Que eu nunca perca essa vontade de escrever. Jamais. O mundo parece uma prisão, às vezes. Escrever é como abrir janelas.''


leia mais em Pensador.info>