Alguma música do Los Hermanos

01:19



Dessa vez estava sem os fones. Não havia uma trilha sonora. Andando pelas ruas da cidade, ele se lembrou de como era quando costumava sonhar. Era assim, parecido. Andando em passos largos pela mesma rua e pela mesma calçada. Desviando de olhares. Fugindo de lembranças. Carregava sobre si o peso e a maravilha de ser quem é. Apenas sendo. Haveria outra alternativa?

A ida era mais um desafio. Sempre foi. A rua ainda estava vazia, porém, com o passar dos anos os caminhos foram se tornando mais longos e as passagem, mais estreitas. Não que o tempo ou as ruas haviam se modificado. Nada mudou fisicamente naquele lugar além da urbanização. O caminho era o mesmo porém se tornava cada vez mais pesado pela quantidade de recordações que ele passava a ter ao decorrer dos anos. Aquela seria no caso a quinta lembrança mais forte que tivera. E isso não significava que era a última. A verdade é que ele vivia traçando os mesmos caminhos de sempre, só que em momentos distintos. E assim, carregava em sua bagagem invisível uma coleção de histórias de amor mal acabadas.

A mochila já estava pesada. Mas uma dessas história, ele não conseguia esquecer ou deixar por ali. Era quase uma involuntária lembrança e que sem querer, marcou a sua alma. Uma história que entrou sem pedir licença e que passou, sem ao menos perguntar se estava preparado pra experimentar a dor e a intensidade do viver. A que chegou invadindo e saiu sem ao menos dar explicações. Simplesmente a que ele encaixaria cada momento e em cada viela ou beco que passasse caso estivesse com seus fones. Aquela.

Mas tudo bem. E quem iria imaginar? E lá estava ele novamente. Sem querer, também lembrou que aquela mesma rua lembrava uma dúzia de pessoas. Umas com um sorriso contagiante, outras com o coração de diamante. Algumas ele ainda pode encontrar por aí. Outras desejou de todo coração que um dia fosse encontrado por elas. Mas há ainda aquelas de quem ele foge, porque tem medo de descobrir como reagiria ao ver essas pessoas. Aquelas. Covarde. E mesmo que ele quisesse evitar, de nada adiantava: o destino o trazia para o mesmo caminho. E ele, tão intenso, nem se dá conta de que tudo nesse mundo está de passagem. Inclusive os momentos, por mais eternos que eles possam parecer.

E foi aí que ele quis esquecer essa história de ''para sempre''.  E voltou.

A volta sempre foi mais tranquila. Afinal de contas, nunca foi tão difícil passar por ali. O silêncio pairava sobre seus ouvidos e uma sensação de alívio também. Andava rápido, ofegante. Suava frio. Então ao passar por aquela rua novamente, evitou o passado. Fechou os olhos e imaginou somente por um momento que se fosse pra escolher uma trilha sonora para o momento, seria alguma música do Los Hermanos. Ouvia carros de som e sentia no rosto a brisa gelada das 19h. Não pôde evitar a emoção que sentia naquele momento. E para sua surpresa, ao abrir os olhos ele viu alguém, naquela curva. Um alguém que seus olhares procuravam desde o começo, involuntariamente. Ela.

Pois é, não deu...

You Might Also Like

0 Comente!

Olá, seja bem vindo :) Diga sua opinião e ela será lida e muito bem vinda, ela é essencial para a construção da identidade deste blog!

Sua opinião será respondida aqui mesmo e em seu blog, por isso peço que deixe seu link para que eu possa retribuir a visita.

Temos twitter: @sabrinabyme e @blogspiderwebs; siga para receber todas as atualizações.

Um recado

Estava esperando por você. Antes de continuar, você precisa saber de algumas coisinhas, ó: isso não é um diário, nem um blog de moda. É apenas um blog. E apesar de alguns textos desde site possuírem um caráter bem pessoal [ao enfatizar sentimentos e circunstâncias] e narrativas por inúmeras vezes cortantes e sensíveis em primeira pessoa, nem todos eles possuem caráter auto-biográfico e opiniões da própria autora.

SPIDERTV

PEQUENAS DOSES DE @SABRINABYME

'' Eu quis encontrar um jeito de nunca morrer, e a partir daí, eu comecei a escrever.''

'' Se tem uma coisa que eu aprendi sobre a dor, é que na maioria das vezes, ela também é a cura''

'' Que eu nunca perca essa vontade de escrever. Jamais. O mundo parece uma prisão, às vezes. Escrever é como abrir janelas.''


leia mais em Pensador.info>