De repente

19:49



Eu nunca me encaixei. Eu nunca coube em mim. Eu sempre quis transbordar. Como fazer isso tudo sem ter ao menos uma oportunidade? E de repente, não mais que de repente, no meio de uma crise de identidade, momento no qual nada mais fazia sentido , no momento no qual eu não tinha mais forças para continuar, no pior momento possível, eu recebi uma chance de me reinventar. Não era o melhor momento. Não era o que eu planejava. Mas o que eu planejava? Nem eu mesma sabia. Pra quem parecia não estar traçando caminho algum, qualquer caminho servia. Nesse caso, talvez, o único caminho possível para fugir de tudo aquilo que me sufocava.

Coloquei todas as minhas expectativas numa mala e embarquei rumo ao desconhecido. Eu chorei. Pela primeira vez estava completamente sozinha. Sequei as lágrimas e mesmo com medo, eu fui. Nunca tive tanta coragem na vida. Adaptação. Novo país. Nova língua. Tudo novo e eu ali, a mesma de sempre. Durante os dias, o medo era o sentimento predominante. As noites eram minhas piores inimigas. Sozinha, comecei a lidar com meus demônios. Um a um , e , depois disso, muitos outros.O maior de todos eles.

Quem eu era? Um pássaro engaiolado por vontade própria. A vida inteira engaiolada por amarras invisíveis que eu mesma impus a mim. Que as condições de vida me impuseram. E aos poucos, fui ensaiando um novo voo. Um novo tempo. Uma nova era de novas descobertas e novas perspectivas. E lá estava eu: num outro lugar construindo novas versões de mim. No entanto, ainda sem saber de fato o que fazer com tudo aquilo que acontecia. Como agora eu não sei o que fazer com o que ficou.

Eu não sei ainda como isso tudo aconteceu. Como eu poderia prever? Eu não planejei nada disso. E de repente, não mais que de repente, eu já não era mais a mesma pessoa. Ou será que sempre fui essa pessoa, mas eu ainda não me conhecia? Eu não me adequava em nada mais. Mas será que algum dia eu me adequei? De repente, aquele estranho-lindo-perfeito lugar começou a fazer parte de mim. Foi inevitável. E, de repente, não mais que de repente, estava eu às margens do mar mediterrâneo. E eu transbordei. Pouco a pouco. Todos os dias...até o fim.

Hoje são outros tempos. E ontem, parece tão distante. Mais ou menos aquilo que chamamos de passado recente. Tão recente, que eu não consigo esquecer. E aquelas tardes sozinhas, de frente pro mar, eram tudo o que eu queria nesse momento. E todos os dias eu fecho os olhos e lembro perfeitamente de tudo: das pedras, das ondas, da cor azul. Do vento batendo no meu rosto. E de como tudo aquilo me fazia imensamente feliz. Mas o sonho acabou. A vida voltou. De repente, não mais que de repente, quem achava que iria encontrar todas as respostas, não encontrou. Percebeu que o que move a vida são as as perguntas. Muitas delas. Aquelas de antes e também as de agora. Aquelas de sempre. Descobrir. Reinventar. Recomeçar. De repente, não mais que de repente. Pra sempre.


"De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente." 

Soneto da separação (Vinicius de Moraes)

You Might Also Like

0 Comente!

Olá, seja bem vindo :) Diga sua opinião e ela será lida e muito bem vinda, ela é essencial para a construção da identidade deste blog!

Sua opinião será respondida aqui mesmo e em seu blog, por isso peço que deixe seu link para que eu possa retribuir a visita.

Temos twitter: @sabrinabyme e @blogspiderwebs; siga para receber todas as atualizações.

Um recado

Estava esperando por você. Antes de continuar, você precisa saber de algumas coisinhas, ó: isso não é um diário, nem um blog de moda. É apenas um blog. E apesar de alguns textos desde site possuírem um caráter bem pessoal [ao enfatizar sentimentos e circunstâncias] e narrativas por inúmeras vezes cortantes e sensíveis em primeira pessoa, nem todos eles possuem caráter auto-biográfico e opiniões da própria autora.

MEUS TEXTOS LITERATURA FALANDO DE FOTOGRAFIA VIDA UNIVERSITÁRIA VIDA DE NORMALISTA PASSEIOS E VIAGEM AVENTURAS NA COZINHA BICHINHOS MÚSICA NA WEB MINHA VIDA

PEQUENAS DOSES DE @SABRINABYME

'' Eu quis encontrar um jeito de nunca morrer, e a partir daí, eu comecei a escrever.''

'' Se tem uma coisa que eu aprendi sobre a dor, é que na maioria das vezes, ela também é a cura''

'' Que eu nunca perca essa vontade de escrever. Jamais. O mundo parece uma prisão, às vezes. Escrever é como abrir janelas.''


leia mais em Pensador.info>