Pra você que está chegando

10:54

 

O sonífero da noite me pega em desalinho na maioria dos dias úteis. Sem refletir, anoiteço e me esqueço. Essa é a fórmula que uso para saber quando os meus dias serão em cinza. São os dias em que durmo sem perceber e acordo em completo desalinho. Fora do mundo através da noite de sono, algumas horas se passaram. Amanheci para um novo dia. Aquele dia. 

Acordei naquela mesma adrenalina de sempre. E, para minha surpresa, o relógio ainda não havia despertado. A noite passada havia trago boas lembranças naquele momento, como a de um sorriso. O seu. Eu ainda não consigo compreender como as coisas tomam os rumos que tomam. Mal pude me reter a mim mesma ou me trancafiar no calabouço espiritual que venho construindo nos últimos dias que  você veio me salvar. Todos nós, seres humanos, vivemos isso: o acaso. Mas em algumas circunstâncias acabamos por esquecer que o mutável é essencialmente humano e nos prendemos a fatos estáticos. Achamos o acaso ruim, perigoso. Prendemos-nos a pessoas que já se foram, a fantasmas viventes. Abusamos do conformismo. Até chegar alguém e mudar tudo isso. 

Lá fora, haviam tons de azul celeste mesclados com azul turquesa. Olhei reflexiva das janelas do meu quarto e percebi que o sol ainda estava por vir. Eu sempre o esperava antes de sair e ele sempre se escondia por detrás das nuvens do céu. Então peguei minhas coisas e fui rumo à mais um dia de produtividade cotidiana, que nada mais é do que uma mistura entre o sacrifício e o prazer. 

Logo que cheguei ao terminal rodoviário, pude desfrutar do prazer de sentar naquele meu banco favorito dentro do ônibus. Durante a viagem, dormi em doses homeopáticas, alternando-me entre a realidade em movimento e o mundo dos meus sonhos. Transferi meus pensamentos a detalhes de você. Desde a primeira vez que nos vimos, não consigo esquecer o seu jeito articulado de sorrir. Você gosta de perfumes doces, como seu coração. Quando você olha por cima de mim, me fazendo notar minha baixa estatura, é desconcertante. Suas sobrancelhas perfeitamente delineadas se expressam involuntariamente e dizem coisas que nem sempre a sua boca consegue dizer, mas o meu coração entender. Perfeitamente. 

O trânsito estava relativamente fluindo bem, para a minha surpresa. Desci no ponto e o sol resolveu aparecer. O ar estava fresco, e as pessoas por incrível que pareçam estavam andando devagar e calmamente, diferentemente do que costumo ver todos os dias. A violência urbana nos torna mais atentos e rápidos, isso é notável, porém neste dia, parecia que todos esqueceram um pouco disso. Peguei o ônibus, dessa vez um segundo. O meu favorito (quando a gente convive com coletivos todos os dias, aprendemos a selecionar como favoritos aqueles que nos trazem as melhores lembranças).

Da janela do ônibus, eu via a vida passando. Eu não poderia estar mais feliz... o mundo não poderia estar tão cativante. Inacreditável. Desde que você apareceu, só aconteceram coisas boas. Aqui dentro e lá fora. Parece uma mentira, ou um sonho, talvez. Quero deixar o acaso falar por mim, sempre fora assim mesmo. Só sei que quando estou com você me sinto realmente bem, sem forçar nada. Me sinto eu. A dor, aquela que eu sempre sentia aqui na minha alma, agora é amena...quase imperceptível.  Vivemos algumas horas do nosso dia reclamando da tristeza, procurando a felicidade... chorando de saudade, mas com você, percebi que na maioria das vezes ela, a felicidade, simplesmente acontece. Obrigado.

O destino final me aguardava com um sol radiante e o canto dos pássaros. Lembrei de quando eles, os pássaros, falaram comigo, quando eu estava ao seu lado, no parque. Então eu entendi. Naquele dia, sentados e conversando, você me perguntou como poderíamos explicar o que acontecia ali, entre nossos olhares e as nossas mãos, e porque sentíamos algo tão repentino e intenso, como a felicidade daquelas poucas horas. Eu não soube responder, até começar a escrever e a olhar em volta. E quer saber de uma coisa? É sobrenatural, vai além do que eu posso definir. Minha alma ignora a razão e tudo que apavora. O mundo me explica a cada hora, porque já aceitei que nem sempre as palavras poderão explicar. Eu tento. Já consigo entender os meus sorrisos de meia em meia hora. Não quero lembrar do passado, nem imaginar um futuro. Eu gosto do agora. E pra você que está chegando, eu simplesmente abro a porta. 

You Might Also Like

1 Comente!

  1. Lindo e apaixonante! Gosto de quando você aborda vários temas diferentes em um só texto, mas de uma forma que consegue interligá-los.
    E sobre o 'acaso', acredito que tudo acontece quando tem que acontecer. Boa sorte, garota. Espero que esse amor tenha vindo pra ficar!

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo :) Diga sua opinião e ela será lida e muito bem vinda, ela é essencial para a construção da identidade deste blog!

Sua opinião será respondida aqui mesmo e em seu blog, por isso peço que deixe seu link para que eu possa retribuir a visita.

Temos twitter: @sabrinabyme e @blogspiderwebs; siga para receber todas as atualizações.

Um recado

Estava esperando por você. Antes de continuar, você precisa saber de algumas coisinhas, ó: isso não é um diário, nem um blog de moda. É apenas um blog. E apesar de alguns textos desde site possuírem um caráter bem pessoal [ao enfatizar sentimentos e circunstâncias] e narrativas por inúmeras vezes cortantes e sensíveis em primeira pessoa, nem todos eles possuem caráter auto-biográfico e opiniões da própria autora.

SPIDERTV

PEQUENAS DOSES DE @SABRINABYME

'' Eu quis encontrar um jeito de nunca morrer, e a partir daí, eu comecei a escrever.''

'' Se tem uma coisa que eu aprendi sobre a dor, é que na maioria das vezes, ela também é a cura''

'' Que eu nunca perca essa vontade de escrever. Jamais. O mundo parece uma prisão, às vezes. Escrever é como abrir janelas.''


leia mais em Pensador.info>