Aquilo que eu ainda não sabia sobre mim

13:24



Desde que eu me entendo por gente, eu sou a pessoa que mais me subestimo. Acho que durante a minha vida, nunca ninguém duvidou de mim tanto quanto eu - e mais: ainda acho que nunca ninguém havia desacreditado tanto em mim, por vários e vários momentos, quanto eu mesma. Até o meu laço menos profundo de amizade, aquele tipo de relação que beira o quase-coleguismo depositava mais fé em mim do que eu mesma. Nossa! E ainda acho que às vezes isso ainda acontece. 

Certa vez eu ouvir dizer que ser uma pessoa que teme tudo é um aspecto favorável. Não sempre, porque ser pessimista também não é legal! O legal da coisa (segundo o que ouvi) é ficar ali no meio termo, entre o otimismo e o pessimismo. Equilibrando a vida nesses dois extremos, e passar acreditar que somos capazes é bom mas nem todo o tempo. Afinal, quando nos nos achamos autossuficientes demais, isso se torna um agravante porque a gente perde a humildade - e o sucesso, por sua vez, perde toda a graça. Às vezes aquele frio na barriga é necessário para que os desafios dessa vida valham a pena. 

Eu nunca fui boa de equilíbrio (ainda não sou) e acreditar? Bem, esse nunca foi o meu forte. 

Eu sempre achei saber um monte de coisas sobre mim, e nunca precisei que ninguém as notasse - principalmente o meus defeitos - eu sabia todos eles. Saber não significa aceitá-los. E por isso, a participação de outras pessoas sempre foi fundamental na minha vida. Ou pra fazer eu persistir pelos meus ideais, ou para me fazer mudar aquela coisinha ali que eu faço e que só me faz mal. Pessoas são mais importantes do que eu sempre pensei, e olha que eu nunca dava à minima pra elas. Aprendi a confiar nos outros mesmo com tantos motivos pra me decepcionar de novo e de novo. Descobri que posso re-considerar. Coisas e pessoas. 

Eu descobri que o amor pode me fazer triste às vezes, mas não por muito tempo. Que algumas pessoas podem vacilar e magoar mesmo, mas isso não significa que elas são más pessoas! É que elas não haviam aprendido ainda. E por infelicidade (ou felicidade, quem sabe) eu apenas sofri um pouco com o aprendizado delas, que por um acaso, também se tornou o meu. Eu descobri que sou mais forte desde então - principalmente em questões do coração. 

Eu descobri que posso querer mudar, e que isso não tem problema nenhum. Que eu posso dizer não a pessoas que só me fazem mal mesmo que a ausência delas possa me fazer estar pior ainda. Que eu posso perder um pouco aqui , mas ganhar ali. Que eu posso pintar o cabelo ou cortar de um jeito diferente que ninguém nunca viu. Que eu posso tudo! Mas nem tudo me convém. Eu descobri que algumas regras sociais não valem tanto assim, e que no final, tudo o que sou e tenho cabe a mim e só. Descobri que o certo pra mim pode não ser tão certo assim - e nem bom o suficiente. Descobri que o duvidoso, pode valer e muito a pena e pode ser também aquilo que eu realmente mereço. 

Eu descobri o quanto posso ser inocente! Tanto na vida, quanto com as pessoas. Mas descobri que sou esperta o suficiente pra fazer um filme com o mesmo roteiro, dessa vez, ter um final mais feliz. Descobri que vivo sorrindo sem realmente estar feliz, que me acostumei a vestir um sorriso para as outras pessoas, mas que nem todas sabem o que ele significa. A verdade é que esse sorriso demonstra o quanto sou receptiva! E que não é tão difícil assim se achegar a mim, é mais simples do que parece. Descobri que sou daquelas que se deixa cativar - afinal, só assim posso ter jardins com inúmeros frutos!

Descobri que as coisas na vida sempre se repetem, mas somos nós que nunca somos os mesmos! E que a gente vai viver em altos e baixos a vida inteirinha.  Eu descobri que o adeus me faz triste, e muito triste. E que fazer amigos novos me deixa  feliz, muito feliz mesmo. Que eu sou mais sensível quanto pareço, e a mesma facilidade com que deixo me cativar, eu deixo me decepcionar. Mas daqui um tempo eu aprendo a relevar mais. Ah, mas é claro que eu aprendo. E no final de tudo, eu descobri que posso confiar mais em mim. Vai que dá certo?

Hoje vejo que descobri um monte de coisa sobre mim que eu ainda não sabia. Agora, daqui um tempo, eu sei que vou perceber que vou descobrir ainda mais. Eu aprendi que eu vou sempre mudar - S E M P R E. E continuar mudando mais um pouco, depois disso.



You Might Also Like

1 Comente!

  1. E o tempo vai passando e percebemos o quão ainda temos que aprender com nós mesmos! Abraços

    http://manuscritoperdido.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo :) Diga sua opinião e ela será lida e muito bem vinda, ela é essencial para a construção da identidade deste blog!

Sua opinião será respondida aqui mesmo e em seu blog, por isso peço que deixe seu link para que eu possa retribuir a visita.

Temos twitter: @sabrinabyme e @blogspiderwebs; siga para receber todas as atualizações.

Um recado

Estava esperando por você. Antes de continuar, você precisa saber de algumas coisinhas, ó: isso não é um diário, nem um blog de moda. É apenas um blog. E apesar de alguns textos desde site possuírem um caráter bem pessoal [ao enfatizar sentimentos e circunstâncias] e narrativas por inúmeras vezes cortantes e sensíveis em primeira pessoa, nem todos eles possuem caráter auto-biográfico e opiniões da própria autora.

SPIDERTV

PEQUENAS DOSES DE @SABRINABYME

'' Eu quis encontrar um jeito de nunca morrer, e a partir daí, eu comecei a escrever.''

'' Se tem uma coisa que eu aprendi sobre a dor, é que na maioria das vezes, ela também é a cura''

'' Que eu nunca perca essa vontade de escrever. Jamais. O mundo parece uma prisão, às vezes. Escrever é como abrir janelas.''


leia mais em Pensador.info>