Quando um relacionamento acaba

00:06







RELACIONAR-SE: PRA QUÊ?

Certo dia, em mais uma de nossas conversas cotidianas, minha irmã começou a se indagar comigo sobre o motivo de do ser humano sentir a necessidade de ‘’se relacionar’’em quaisquer épocas da história. Se levarmos em conta a lógica da vida, a resposta seria muito fácil: os relacionamentos fazem parte da nossa essência humana. É evidente o fato de que as pessoas só existem porque outras pessoas se relacionam. É algo biológico, está relativamente ligado aos nossos ‘’instintos’’. Só que certamente, ela não se perguntava sobre isso. Era sobre o amor que tanto vemos nas novelas, filmes ... Enfim, no cotidiano.. Afinal: porque sentimos necessidade de amor? Por que o amor causa tanta polêmica? Por que dói amar? Por que um relacionamento acaba? É fácil. A maioria dessas indagações simplesmente não possuem resposta.

Quando a gente se relaciona afetivamente de forma amorosa com alguém, a gente envolve uma série de fatores: o emocional, o biológico, o mental e o comportamental (e mais uns tantos outros, acredito). As coisas mudam dentro da gente, mudam do lado de fora. Podemos irradiar de felicidade por horas ou estar aflitos esperando/temendo algo. O amor é tão ambíguo que ultrapassa as leis da razão (e esse texto, que pretende ser um tanto lógico, se torna complicado por estar falando sobre o amor). Complicado, é essa a palavra. O amor é complicado.

Sei que já existem vários textos na internet que falam sobre esse assunto que pretendo discorrer hoje, mas, eu ainda acho necessário discutir o meu ponto de vista acerca disso. É sempre necessário. Não sou expert em relacionamentos, minhas experiências de vida são poucas ainda (acho que ainda sou bastante nova para assumir uma posição crítica realmente séria sobre o que ocorre nos relacionamentos). Porém, essa é uma área que eu pretendo estudar futuramente. A questão é que por mais que as pessoas saibam a lógica do amor, elas sempre estarão confusas e vulneráveis a ele. Por que simplesmente sentir e se relacionar é algo incontrolável e inerente a nós. Agora, o difícil é quando a ausência toma o lugar do amor. E isso realmente gera uma série de questões confusas, que iremos abordar agora.
ACABOU: E AGORA?
‘’Vocês eram o casal perfeito. Faziam tudo juntos, se amavam, se completavam e tinham o sonho de viverem a vida inteira ao lado um do outro. Com o passar dos anos, as coisas mudaram um poucos e seus ideais partiram para lados opostos. Já era hora do relacionamento acabar, mas ninguém queria aceitar. E como tudo que está ruim só tende a piorar, vocês simplesmente se separaram. E a partir daí, o mundo começou a desabar. ‘’
Quando há amor, há dor. Inclusive a dor da perda. Já perdi a conta de quantas vezes já ouvi a frase ‘’bola pra frente’’ , ‘’a fila anda’’ , ‘’ antes só do que mal acompanhado’’ enfim, essas frases de efeito que na verdade, só pioram tudo. Eu sei porque já vivi isso. Quando um relacionamento acaba de uma forma inesperada, você se sente mal: o coração dói, a angústia toma conta dos seus dias, você sofre, músicas de amor fazem você chorar... e depois chega um momento em que você não vê sentido em mais nada. O pior é você ter que ouvir que isso vai passar, porque a dor é tão forte, que você acha que vai morrer. Você se sente sozinho, carente...em pleno abandono.

Posso te contar uma coisa? Passa. A dor passa sim. E sabe qual é o remédio milagroso pra ela? O tempo. Só o tempo torna todas as coisas esquecíveis (ainda quero fazer um estudo sobre essa afirmativa). O tempo vai passar e a dor vai curando de acordo com o tempo. Pode levar uma semana, um mês, um ano, uma vida. Ela sempre passa. Então você vai passar a buscar aos poucos, outra coisinha: a felicidade. No seu tempo.
RESPEITO É BOM - E TODO MUNDO GOSTA

As pessoas banalizam muito relações afetivas, relacionamentos amorosos e por aí vai. Além do amor já ser algo complicado, o mais complicado é conviver com o efeito de uma união ou separação em nosso meio social. Tudo é alvo de fofoca, de status, de ''querer se aparecer'', de exaltar um momento em detrimento de outro. Pra que complicar algo que não tem explicação? As coisas estão sempre mudando. Pessoas se conhecem, se amam, descobrem que não deu certo e se separam.Em pleno século XXI isso não deveria ser tão polêmico assim, mas olha, na verdade isso é e muito.

Uma coisa que afeta muito quando um relacionamento acaba é a falta de respeito. Isso é algo complicado, porque manter uma amizade após um término (ainda mais quando uma das partes demora a aceitar) é complicado. Mas é aqui que eu lembro daquele trecho do texto ''Definitivo'' do Carlos Drummond de Andrade '' Por que sofremos tanto por amor? O certo seria a gente não sofrer, apenas agradecer por termos conhecido uma pessoa tão bacana, que gerou em nós um sentimento intenso e que nos fez companhia por um tempo razoável, um tempo feliz. ''. Ou seja, independe de qual motivo tenha sido o término do relacionamento, não se deve menosprezar um passado feliz. Eu acredito muito nessa verdade. E o Carlinhos também.

A grande questão é: que mesmo com mágoas, tristezas e indignações, vive melhor quem aceita que a vida está sempre mudando, aceita as perdas e aprender a conviver com elas. Isso é crescer espiritualmente e é ter maturidade. Desejar o bem de quem você tanto amou um dia, mesmo que essa pessoa tenha lhe decepcionado de uma forma muito forte, é uma forma de agradecer o tempo em que ela te fez feliz. Sem ofensas, sem golpes baixos, sem provocações. Afinal, o respeito é fundamental. Respeito. Essa é a palavra.

AFINAL, EXISTE TEMPO PRA SER FELIZ? 

Um fato que gera bastante polêmica na área dos relacionamentos são os olhares alheios, ''gente que mete a colher''. As pessoas do nosso meio social, apesar de viverem quase o mesmo que nós na maioria das vezes, costumam se perguntar sobre o fim e o recomeço de um relacionamento. As pessoas geralmente não entendem como pode um casamento de 10 anos acabar em 1 mês e que depois desse 1 mês a mesma pessoa já tenha superado e esteja feliz, com outra . É preconceituoso estabelecer uma regra em questões do coração. Já cansei de ver um monte de gente postando ''tem gente que tem um novo amor a cada mês'' como se isso fosse algo inconcebível. Isso é injusto. As pessoas às vezes não conseguem entender porque você simplesmente se apaixona, existe uma regra de tempo pra mudar de um relacionamento pro outro? Acho que não. Eu acho que tanto faz se isso demora 10 anos pra acontecer, ou acontece em um dia, enquanto você estava no ponto de ônibus esperando a condução. É essa a questão. O amor acontece.

Quando você se decepciona na área do amor, se apaixonar outra vez é como subir aos céus. Encontrar um novo alguém para começar tudo de novo, é maravilhoso. Compartilhar experiências que você teve e aprender novas coisas que você ainda não conhecia... sorrir um pouco e nem se lembrar das tristezas que você carrega nas costas. Amar novamente é fugir de um mundo e entrar em outro bem melhor, e tentar ficar, de uma vez. E se não der certo, começar do zero, tudo de novo. Nossa vida é baseada em ciclos, e a gente aos poucos vai se adaptando à eles. Não fique pensando no tempo e nem nos outros. Busque sempre o seu melhor. Felicidade exige pressa. E o resto, não interessa.

Apesar de não estar acostumada a escrever textos desse gênero, achei necessário expor a minha opinião sobre o assunto. Vocês curtem postagens assim? Ah e mais: e vocês, o que pensam sobre o assunto? Deixem a opinião de vocês, se alguém quiser compartilhar suas próprias e experiências e opiniões, que fique a vontade para o debate e a exposição de ideias. Comente, que tal?

You Might Also Like

2 Comente!

  1. Achei um grande diferencial no seu texto a questão de não existir tempo para ficar triste pelo fim, chorar, sentir raiva, se acostumar e partir pra outra... Somos diferentes. O ser humano que criar regras de condutas em coisas que não tem como regrar. Amor não se mede. - Outra coisa que achei interessante é o fato de não existir amor sem dor... Realmente não existe, mas tem pessoas que insistem em errar e acabam trocando as coisas. "Dor sem amor é masoquismo". Devemos reconhecer quando não dá mais. Achei o texto super demais!!! Amei! beijos.

    ResponderExcluir
  2. Ótima postagem sobre comportamento. Sua irmã não está errada em se questionar sobre essas coisas, na minha opinião todo mundo devia ter os mesmos questionamentos. Eu acho que amor só existe por questões biológicas e sentimentais.

    ACESSO PERMITIDO: Desejo mortal.
    http://acessopermitidoblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Olá, seja bem vindo :) Diga sua opinião e ela será lida e muito bem vinda, ela é essencial para a construção da identidade deste blog!

Sua opinião será respondida aqui mesmo e em seu blog, por isso peço que deixe seu link para que eu possa retribuir a visita.

Temos twitter: @sabrinabyme e @blogspiderwebs; siga para receber todas as atualizações.

Um recado

Estava esperando por você. Antes de continuar, você precisa saber de algumas coisinhas, ó: isso não é um diário, nem um blog de moda. É apenas um blog. E apesar de alguns textos desde site possuírem um caráter bem pessoal [ao enfatizar sentimentos e circunstâncias] e narrativas por inúmeras vezes cortantes e sensíveis em primeira pessoa, nem todos eles possuem caráter auto-biográfico e opiniões da própria autora.

SPIDERTV

PEQUENAS DOSES DE @SABRINABYME

'' Eu quis encontrar um jeito de nunca morrer, e a partir daí, eu comecei a escrever.''

'' Se tem uma coisa que eu aprendi sobre a dor, é que na maioria das vezes, ela também é a cura''

'' Que eu nunca perca essa vontade de escrever. Jamais. O mundo parece uma prisão, às vezes. Escrever é como abrir janelas.''


leia mais em Pensador.info>